painel

domingo, 11 de setembro de 2011

Açoites

                   Açoites

Acoites que ontem açoitava a pele escura,
Hoje açoita a clara,escura,parda...
A cada amanhecer espontâneamente
Entramos em nosso navio negreiro,
Sem ao menos perceber que as portas
Simplesmente estão abertas,e que carregamos
Em nossa mente friável nossos carrascos.
Os grilhões que antes se trazia preso aos pés,
encontra-se hoje em nossa mente fragilizada
 pelos simples existir  assistir e permitir.
O metal que antes comprava a liberdade hoje
Nos aprisiona mais e mais...
A alforria  de hoje só se compra com a letra
Que dês de 1.500 tentam esconder.
A nova era camufla os açoites dado pelos
Senhores feudais, que não mais em seus castelos,...
Mas sim naquele planalto ,que financiamos com
O suor de nosso rosto já envelhecido pelo sol.
Somos forte e capazes a lastima é que não percebemos,
Que o que nos aprisiona  é  mera ilusão patrocinada 
pela ausência de um conhecimento.
A letra negada, iniciada, mas nem sempre terminada,
Oferecendo-nos um alfabeto de 13 letras.
Contudo creio que um dia hão de perceber que
As mãos que nos açoita são nossas ao receber a venal “ajuda”
Que os moços do planalto têm a nos oferecer ,no intuito
De  intelectualmente nos empobrecer;
Afim de que não percebemos que a nossa Isabel está no verbo aprender.

15 comentários:

  1. Lindo poema que mostra claramente o processo de alienação mental que se apodera cada vez mais das novas gerações que perdem a passos largos valores espirituais humanos fundamentais para a vida saudável em sociedade.....
    Beijos e parabéns!
    :D

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema Liberdade!.. Ainda hoje trazemos as marcas do passado!

    Um beijo grande em seu coração...
    Verinha

    ResponderExcluir
  3. Aplaudo suas palavras, tão bem colocadas. Ali em cima, ninguém quer que tenhamos cultura e coragem. Ali, cultivam a ignorância popular e não valorizam mestres. Nossa prisão, da qual dizem que estamos libertos, está sendo construída dia a dia. Por quem? Por nós mesmos, que cansados, olhamos até com indiferença os fatos.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. a fazer jus ao nome do blogue, encetas um voo em nome da liberdade. porque os grilhões do homem não conhecem apenas as mãos...
    beijinho!

    ResponderExcluir
  5. Excelente reflexão, querida.

    A nossa indiferença para com os problemas da educação no nosso país custa muito mais caro do que podemos supor...

    Beijo e ótima semana.

    ResponderExcluir
  6. Liberdade, liberdade..

    Palavra tão sonhada..

    Lindassssss as suas palavras!

    Minha flor, obrigada pelo seu carinho de sempre!
    Uma querida você!

    Um beijo e boa semana!

    ResponderExcluir
  7. Ual, adorei tua expressão. Fazendo jus ao nome do blog e escrevendo de forma tão perspicaz e incisiva. Lembrou-me Che: 'ai que endurecerse, pero sem perder la ternura, jamás'. rs
    Abraço e uma ótima semana para você!

    ResponderExcluir
  8. É verdade, não somos livres, não agimos de forma a merecermos ser.

    Que coisa, não?

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Minha querida

    Adorei o texto muito verdadeiro...um grito contra as injustiças.
    Adorei ler-te e deixo um beijinho e agradeço o carinho que me deixaste.

    Sonhadora

    ResponderExcluir
  10. O mundo gira sempre em torno do mesmo eixo. Muda apenas os carrascos e a sutileza ao agir.

    beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá Liberdade!


    Aqui estou agradecendo pelas lindas palavras e, retribuindo a visita.

    Quero-lhe dizer que gostei também do seu blog.

    O poema é seu? Muito bonito e real! Eu costumo dizer que a escravidao só mudou de forma: saímos do tronco e fomos pro cartao de ponto... "Liberdade" é uma palavra ilusória, apenas...

    Abracos

    ResponderExcluir
  12. O dominio dos poderosos, assume hoje uma forma muito mais eficaz e sofisticada!!!
    Muito bem estruturado o teu texto!


    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  13. Oi,Liberdade!O tempo passa e por aqui nada muda, ninguém faz nada os que podem fazer algo assistem de braços cruzados a palahaçada que está se tornando esse país,lamentável viu...
    Beijosss

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde, querida amiga Liberdade.

    Que maravilha de poema... Adorei!!
    Algumas coisas continuam igual, só mudou a fachada. A escravidão sempre existirá de alguma forma, em algum lugar. Até mesmo, dentro de nós.

    (Muito obrigada pela sua atenção, gentileza e carinho. Obrigada pelo conforto)

    Tenha uma linda semana de paz e alegrias.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  15. Passei para lhe dar um abraço de Boa noite.

    ResponderExcluir